_______________________________

segunda-feira, 27 de abril de 2015

Voz de William Bill


FLAtulências (62): saudades de você


Paradoxos 1


Bob’s Real Grandeza em Botafogo fecha para reformas


por FERNANDO PEIXOTO MOURA

Prezado Ruy Moura

Fechou temporariamente para reformas, em 20/4, a loja de fast-food da tradicional rede Bob’s, uma franquia inaugurada em 21 de abril de 2001 na Rua Real Grandeza, 319, no bairro de Botafogo, zonal sul do Rio de Janeiro.

O espaço anteriormente fizera parte da famosa Padaria Bragança (de 1922, na esquina das ruas Voluntários da Pátria e Real Grandeza), demolida no final dos anos 1970 para a construção de um moderno prédio de doze andares, o Edifício Real Center. Abrigou a Dupin Veículos e, ao lado, a Stand Automóveis, onde hoje fica a farmácia Drogasmil.

Os registros fotográficos efetuaram-se entre 2011 e 2012. Os uniformes dos funcionários eram em cores diferentes dos atuais: blusa branco gelo, golas e listras azuis para monitores, amarelas, atendentes femininas, e vermelhas, masculinos, com calças compridas e bonés em azul claro.

Cabe um agradecimento especial aos gerentes José Hailton e Carlos Bittencourt, que permitiram a execução do trabalho e a todos que colaboraram, posando alegre e descontraidamente para a câmera, em clima de total camaradagem.

Cliente do Bob’s desde a abertura da primeira fast-food (1952) na Rua Domingos Ferreira, 236, em Copacabana – pertencente ao tenista e empresário norte-americano Robert Falkenburg (1926), que se casou (1947) com a brasileira Lourdes Mayrink Veiga Machado, radicando-se (1950) em nosso país -, e de sua filial em Ipanema (Rua Visconde de Pirajá, 463, esquina com Garcia D’Ávila), lamento não existirem mais delícias como os sundaes em copinho “hot fudge” (um “whipped ice cream” coberto de calda de chocolate quente) e o “butterscotch” (caramelo derretido e esparramado sobre o gelado de creme).


E ainda o saboroso “ham and eggs”, presunto com ovos estrelados ou mexidos, servidos na própria frigideira, em cima de um grande prato de madeira, acompanhado por duas torradas (uma verdadeira refeição, que podia ser borrifada com pimenta em pó), tudo feito na hora e à vista do freguês. Comia-se em pé, é verdade, mas a juventude lotava as lojas do Bob’s após a saída dos cinemas nos fins de semana, em programa obrigatório, para lanchar e paquerar. Era também ponto de encontro de artistas e famosos. Tudo isso nos anos 1960 e 70.

Os saudosistas que escrevam relembrando outras coisas boas de um passado não tão distante.  E os críticos... venham se lambuzar! – o mote da atual campanha da empresa para conquistar novos clientes, com “autenticidade, abundância e fartura de molhos”.  Os pepinos da concorrência que se cuidem.

Na banda sonora, “Plangente” e “Janiquinha”, composições da maestrina carioca Chiquinha Gonzaga (1847 – 1935), são interpretadas pela pianista paulistana Rosária Gatti.

“A verdadeira memória é mortal. O que fica registrado nos jornais e televisão são apenas dados, estatísticas, que não se equiparam nem de longe à experiência pessoal.” – UGO GIORGETTI.

Atenciosamente,
Fernando Moura Peixoto (ABI 0952-C)

Fast-Food Em Botafogo Fecha Para Reformas

domingo, 26 de abril de 2015

Voz de Celso Leite


Artefatos (56)


Botafogo 0x1 Vasco da Gama

Falhamos grosseiramente a hipótese de inaugurar o marcador e mais grosseiramente ainda – como sempre – um gol em cima de uma zaga com comportamento infantil.

Já no sábado, no empate de 2x2 com o flamengo para a Taça Guanabara Sub-20 o Botafogo tomou dois gols perfeitamente evitáveis.

Ando há anos dizendo que a defesa é o nosso ponto fraco e que um time constrói-se de trás para a frente. Mas na verdade essa construção nunca passa do goleiro à zaga: vai diretamente do goleiro ao meio campo ou ao ataque. Os laterais e os zagueiros são os grandes responsáveis por perda de títulos, e por absoluta falta de atenção e de ligeireza.

Precisamos fazer melhor, mas temo pela nossa preparação física, ainda para mais com jogio a meio da semana.

Digamos, a finalizar, que o gol do Vasco da Gama foi um castigo adequado. Tudo mais difícil para o 2º jogo em que teremos que tomar as rédeas da partida e rezar, rezar, rezar, sejamos ateus ou crentes, para que a defesa se inspire e contribua para o título.

FICHA TÉCNICA
Botafogo 0x1 Vasco da Gama
» Gols: Rafael Silva 90’+1'
» Competição: Campeonato Carioca (decisão, 1º jogo)
» Data: 26.04.2015
» Local: Estádio do Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
» Público: 39.379 pagantes
» Renda: R$ 1.944.455,00
» Árbitro: Luís Antônio da Silva Santos (RJ); Assistentes: Wagner de Almeida Santos (RJ) e Silbert Faria Sisquim (RJ)
» Disciplina: cartão amarelo – Carleto, Bill, Gilberto, Marcelo Mattos (Botafogo): Rodrigo, Serginho, Rafael Silva, Thalles (Vasco da Gama)
» Botafogo: Renan, Gilberto, Renan Fonseca, Diego Giaretta e Carleto; Marcelo Mattos, Willian Arão, Fernandes e Gegê (Tomas Bastos); Rodrigo Pimpão (Sassá) e Bill. Técnico: René Simões.
» Vasco da Gama: Martin Silva, Madson, Luan, Rodrigo e Christianno; Serginho, Guiñazú, Júlio dos Santos (Thalles) e Marcinho (Rafael Silva); Dagoberto (Bernardo) e Gilberto. Técnico: Doriva.

Sporting de regresso ao topo da Europa

A diretoria do Sporting não se limitou a recuperar o prestígio do futebol Leonino como apostou na recuperação de modalidades meio esquecidas pelas diretorias anteriores, o que era uma enorme perda para o desporto português já que o Sporting é o mais eclético Clube lusitano, sendo a 3ª agremiação da Europa com mais títulos oficiais internacionais em todas as modalidades coletivas (atrás do Barcelona e do Real Madrid e à frente dos demais clubes europeus).

E neste fim-de-semana disputou a ‘final four’ da Liga dos Campeões de Futsal e da Taça CERS de Hóquei em Patins.

HÓQUEI EM PATINS

No caso do hóquei em patins a modalidade havia sido extinta e regressa agora em força tornando a conquistar a 2ª mais importante competição europeia (equivalente à Copa Sul-americana de futebol).

Efetivamente, classificado para o quadrangular da ‘final four’, o Sporting levou de vencida os seus poderosos adversários espanhóis do Igualada e do Réus em dois jogos memoráveis de pura emoção: na semifinal houve prorrogação e na final somente a disputa por penalidades máximas assegurou o título.

Campanha do Sporting:

Dezasseis-avos-de-final

Sporting 3x2 Calafell (Espanha)
Sporting 3x1 Calafell (Espanha)

Oitavas-de-final

Sporting 4x3 Basileia (Suíça)
Sporting 5x3 Basileia (Suíça)

Quartas-de-final

Sporting 2x3 Oliveirense (Portugal)
Sporting 4x1 Oliveirense (Portugal)

Final Four

Sporting 3x2 Igualada (Espanha) [após prorrogação]
» Gols: João Pinto, Tiago Losna e Ricardo Figueira (Sporting); Antoni Baliu e Jaume Molas (Igualada)

Sporting 2x2 Réus (Espanha) [pen. 2x1]
» Gols: Tiago Losna e João Pinto (Sporting); Marc Coy (Réus)


O hóquei em patins do Sporting conquistou a sexta Taça Europeia em nove finais.

FUTSAL

O Futsal também chegou ao quadrangular da ‘final four’, obtendo a Medalha de Bronze. Na semifinal perdeu para o campeão europeu Barcelona por 5x3 com dois gols adversários nos últimos dois minutos numa partida emocionante.

Na disputa pela Medalha de Bronze o Sporting bateu o Dina Moskva por 8x3.

Campanha do Sporting:

Fase de Grupos

Sporting 5x3 Charleroi (Bélgica)
Sporting 8x2 Grand Pro Varna (Bulgária)
Sporting 1x0 Inter Movistar (Espanha)

Final Four

Sporting 3x5 Barcelona (Espanha)
» Gols: Diogo, João Matos e caio (Sporting); Wilde (2), Dyego, Bateria e Paco Sedano (Barcelona)

Sporting 8x3 Dina Moskva (Rússia)
» Gols: Alex (4), João Matos, Marcelinho, Diogo e Cristiano (Sporting);  Exquerdinha (2) e Kuzenok (Dina Moskva)


OS TÍTULOS EUROPEUS COLETIVOS DO SPORTING

1. ANDEBOL – TAÇA CHALLENGE

Campeão
» Taça Challenge [1]: 2009/2010

2. ATLETISMO – CROSS:

Campeão
» Taça dos Clubes Campeões Europeus de Cross [14]: 1977, 1979, 1981-1982-1983-1984-1985-1986 (hexacampeão), 1989-1990-1991-1992-1993-1994 (hexacampeão)

Vice-campeão
» Taça dos Clubes Campeões Europeus de Cross [5]: 1980, 1987-1988, 1995, 1998

3. ATLETISMO – PISTA:

Campeão
» Taça dos Clubes Campeões Europeus de Pista [1]: 2000

Vice-campeão
» Taça dos Clubes Campeões Europeus de Pista [3]: 2007, 2009-2010

4. ATLETISMO – ESTRADA:

Vice-campeão
Taça dos Clubes Campeões Europeus de Estrada [1]: 1991

5. BILHAR:

Campeão
Campeonato da Europa de Bilhar Pool masculino [1]: 1999

Vice-campeão
Campeonato da Europa de Clubes às Três Tabelas [1]: 2002

6. HÓQUEI PATINS – LIGA DOS CAMPEÕES:

Campeão
» Liga dos Campeões Europeus [1]: 1976/1877

Vice-campeão
» Liga dos Campeões Europeus [1]: 1988/1989

7. HÓQUEI PATINS – TAÇA CERS:

Campeão
» Taça CERS (Comitê Europeu de Rink-Hockey) [2]: 1983/1984, 2014/2015


8. HÓQUEI EM PATINS – TAÇA DAS TAÇAS:

Campeão
» Taça das Taças [3]: 1980/1981, 1984/1985, 1990/1991

Vice-campeão
» Taça das Taças [2]: 1981/1982, 1985/1986

9. FUTEBOL – LIGA EUROPA (ex-Taça dos Vencedores de Taças e Taça UEFA):

Campeão
» Taça dos Vencedores das Taças [1]: 1963/1964

Vice-campeão
» Taça UEFA [1]: 2003/2004

10. FUTSAL – UEFA CUP (Liga dos Campeões)

Vice-campeão
» UEFA Futsal Cup [1]: 2010-2011

11. SÍNTESE

» 17 Títulos de Campeão Europeu (e 7 vezes finalista vencido) [equivalentes à Liga dos Campeões em futebol]
» 7 Títulos Europeus (e 3 vezes finalista vencido) [equivalentes à Liga Europa de futebol]

Pesquisa de Rui Moura (blogue Mundo Botafogo)

sábado, 25 de abril de 2015

Buááááááááááááááá...


O grande ‘Clássico da Amizade’


As grandes décadas de futebol do Glorioso foram, indubitavelmente, 1930, 1960 e 1990 – isto é, de 30 em 30 anos (a ‘escrita’ diz que teremos que esperar por 2020 para um novo período de glória).

Na década de 1930, sob o impulso de Paulo Antônio Azeredo, o Clube conquistou 5 títulos de campeão carioca (1930, 1932, 1933, 1034, 1935): na década de 1960, novamente sob a égide de Paulo Antônio Azeredo, o Botafogo foi campeão carioca em 1961, 1962, 1967 e 1968, conquistou a Taça Guanabara em 1967 e 1968, venceu o Torneio Rio – São Paulo, o mais importante torneio do País não eliminatório, em 1962, 1964 e 1966, e foi campeão da Taça Brasil em 1968 (título conquistado já em 1969); na década de 1990, sob o impulso de Emil Pinheiro, foi bicampeão estadual em 1990 e campeão estadual em 1997, vencedor da Taça Cidade Maravilhosa em 1966 e da Taça Guanabara e da Taça Rio em 1997, campeão da Taça Sul-americana Conmebol em 1993, campeão Brasileiro em 1995 e vencedor do Torneio Rio-São Paulo em 1998, terminando 1999 apenas como vice-campeão da Copa do Brasil graças à arbitragem do 2º jogo favorável ao adversário.

Se o Botafogo se sagrar campeão estadual em 2015, iguala, embora sem o brilho de outras épocas em que dispunha de atletas magníficos, o número de títulos estaduais conquistados na década de 1960, sendo o bicampeonato de 1960-61 ganho com duas goleadas de 3x0 sobre o flamengo, com exibições fabulosas de Garrincha e Companhia, como Manga, Nilton Santos, Didi, Quarentinha, Amarildo e Zagallo, enquanto o bicampeonato de 1967-68 foi liderado por Gérson, Rogério, Roberto, Jairzinho e Paulo César ‘Cajú’, ganhando as finais ao Bangu e ao Vasco da Gama’ (isto é, com 10 campeões do mundo se contarmos que Rogério que foi o ’23 convocado’ na Copa de 1970).


Em todo o caso, a história dos últimos 10 anos (2006-2015) evidencia 10 anos notáveis a nível estadual, liderando indubitavelmente o futebol do Rio de Janeiro, tendo sido campeão ou vice-campeão em 20 ocasiões de um total de 28 decisões. E se mais não conquistou (campeonatos estaduais de 2007, 2008 e 2009) deve-o a arbitragens escandalosamente favorecedoras do flamengo.

Se o retrospecto vale alguma coisa, dir-se-ia que o Botafogo tem muitas possibilidades de ser campeão estadual em 2015, já que o Vasco da gama nunca ganhou ao Botafogo em jogos decisivos para o título de campeão.

Em 92 anos de história do clássico, nos confrontos com o Vasco da gama o Botafogo tem o retrospecto menos favorável em embates com os ‘grandes’ do Rio de Janeiro (apenas 88 vitórias e 138 derrotas), mas em cinco disputas de título o Botafogo ganhou-as todas: campeão carioca em 1948, 1968 1990 e 1997 e campeão do Torneio Rio-São Paulo em 1966. E, já neste século, os registros de confrontos em finais de turnos foram ganhos também pelo Botafogo: Taça Guanabara 2010, Taça Rio 2012 e Taça Guanabara 2013.


DECISÕES

Botafogo 3x1 Vasco da Gama: Campeonato Carioca 1948
Botafogo 3x0 Vasco da Gama: Torneio Rio – São Paulo 1966
Botafogo 4x0 Vasco da Gama: Campeonato Carioca 1968
Botafogo 1x0 Vasco da Gama: Campeonato Carioca 1990
Botafogo 1x0 Vasco da Gama: Campeonato Carioca 1997

Neste século houve três DECISÕES para a Taça Guanabara e Taça Rio de Janeiro:

Botafogo 2x0 Vasco da Gama: Taça Guanabara 2010
Botafogo 3x1 Vasco da Gama: Taça Rio 2012
Botafogo 1x0 Vasco da Gama: Taça Guanabara 2013

Seja como for, uma coisa é certa: o confronto entre as duas equipes passou a designar-se por ‘Clássico da Amizade’ porque em nenhum ponto do Brasil o duelo entre duas torcidas rivais de dois grandes clubes possui um clima tão amistoso como a vivência entre as torcidas do botafoguenses e vascaínas.


O ‘Clássico da Amizade remonta à década de 1970 quando o Botafogo esteve sem ganhar o campeonato carioca, tal como o Vasco da Gama durante 12 anos, e as cores garridas dos outros dois clubes dominavam os títulos nesses anos, nem que para isso tivessem ‘marçais filho’ apitando, como na decisão do Carioca de 1971 em que a arbitragem assegurou mais um título ilegal para o fluminense.

Nesse tempo o estádio do Maracanã não era dividido como atualmente e as bandeiras das duas torcidas eram carregadas para ambos os lados, torneando o anel do estádio, cruzando-se a meio caminho e recebendo os aplausos festivos de ambas as torcidas, cimentando-se o clima amistoso e tranquilo que sempre existiu entre os dois alvinegros do Rio de Janeiro.

Ganhe quem ganhar o campeonato carioca de 2015, outra coisa é certa: ao fla e ao flu resta, no máximo, um duelo em Brasília para se saber quem é o vencedor do patético confronto pela Taça dos Chorões.

Ganhe quem ganhar, perca quem perder, desejo que o feliz campeão seja um justo vencedor e que se saiba ganhar com galhardia e perder com fidalguia.

E, de acordo com a linha editorial seguida desde sempre pelo Mundo Botafogo, neste espaço não se espere zoações aos vascaínos no caso de sermos os felizes vencedores, porque sabemos ganhar com galhardia a quem como o Vasco da Gama sempre soube – tal como nós – perder com fidalguia.

Carta Aberta de René Simões

A Carta Aberta de René Simões é como se constituísse um libelo acusatório contra dois arrogantes que comandaram o Clube e a equipe: os canalhas Assumpção e Oswaldo Oliveira que acusaram a torcida como bode expiatório das suas próprias incompetências. Ei-la:

Prezado torcedor alvinegro,

Desde o início não prometi nem ouro nem palavras vazias, prometi trabalho e resgate do comprometimento e orgulho que qualquer profissional tem que ter em trabalhar num time tantas glórias, ídolos e imensas tradições.

Diariamente temos uma reunião de trinta minutos, não pode passar desse tempo, óbvio que o grande Jairzinho teve permissão para estourar esse tempo, e é nele que passamos essas histórias desse clube.

Nosso mote "sede, fome e pressa" é lembrado sempre e a cada dia nos comprometemos ainda mais com ele e o que representa para vocês.

Não abrimos mão da evolução constante em busca da excelência que não é uma condição ou estado perene. A excelência é feita de momentos de extrema performance que logo depois precisam ser ultrapassados.

Além disso, há o comprometimento em resgatar a autoestima do clube e de sua torcida, vocês que são os verdadeiros donos. Vocês, torcedores apaixonados e sofridos com o ano passado, têm o direito de serem representados não apenas por profissionais frios e calculistas, mas por homens responsáveis e cientes de sua Missão.

Nossa aliança tem sido magnífica e os resultados em casa corroboram essa química: oito jogos e oito vitórias. Algumas com viradas épicas, em que vocês foram protagonistas .


Por favor, se você é daqueles que marca encontros para brigar antes e depois dos jogos, não se veja neste relato, não é com e de você que estou falando.

Não podemos perder essa química, pois será nos momentos difíceis que precisaremos que vocês nos conduzam aos extremos, como foi ontem no segundo tempo. Não havia mais pernas em campo e foi no grito, determinação e incentivo de vocês que o combustível que moveu pernas cansadas, tornozelos estourados, músculos com cãibras e cérebros sem oxigênio , apareceu. QUE COMBUSTÍVEL fantástico foi aquele!!!

Em nome dos jogadores e comissão técnica agradecemos e reiteramos nosso compromisso com os objetivos do Glorioso para esse ano de 2015.

Juntos. Somos e seremos sempre mais fortes.

Obrigado, curtam a classificação e vamos com muita força para s finais.

Minha neta adorou o estádio e a festa.

Reage Botafogo.

René Simões