quarta-feira, 12 de fevereiro de 2020

Honda e o nº 4 na camisa – encontro da superstição com o clube ideal

Camisa do japonês Honda, futebolista do Botafogo

por RUY MOURA
Editor do Mundo Botafogo

Tetrafobia é uma expressão que designa aversão ou medo do número 4 e constitui uma superstição muito comum nos países da Ásia ocidental, designadamente China, Coreia, Japão e Taiwan.

A letra chinesa para a palavra ‘quatro’ (, pinyin: s ì) tem um som muito semelhante à palavra ‘morte’ (, pinyin: s ǐ). As palavras sino-japonesas e sino-coreanas para ‘quatro’, shi (japonês) e sa (coreano), soam idênticas à expressão ‘morte’ em cada um dos idiomas. No Japão, a palavra pronuncia-se ‘yon’ para não se pronunciar o número quatro.

No sudoeste e no oriente asiáticos ninguém quer nada que contenha o nº 4, evitando-se ocorrências ou lembranças do número 4 durante as férias, ou doença familiar, especialmente na cultura chinesa. De modo semelhante, os números 14, 24, etc. também são evitados devido à presença do nefasto algarismo.

‘4’ é semelhante a ‘morte’

Nessas regiões, o 4 é evitado na numeração de casas, apartamentos, escritórios ou hospitais e até em telefones. Os nºs. de mesa 4, 14, 24… também são omitidos em casamentos e outros eventos sociais, e em blocos residenciais esses números são substituídos com o bloco 3A, 13A, 23A, etc.

A tetrafobia é tão comum em Taiwan que não há 4 ou x4's para endereços, placas de carro e quase-tudo numericamente relacionado. Na China as designações para aeronaves militares começam apenas no nº 5 (como no avião de batalha ‘Shenyang j-5’). A Citroen teve que adaptar o nome do modelo universalmente conhecido como C4 para ‘Quatre’, de modo a obter sucesso nas vendas. E os agentes de trânsito de Pequim pararam de multar os automóveis que tivessem o dito algarismo na placa.

O assunto é tão importante para esses povos ao ponto de um estudo sobre a influência do stress psicológico na taxa de mortalidade, realizado ao longo de 25 anos, descobrir que o número de casos de ataques cardíacos entre chineses e japoneses aumentava consideravelmente no quarto dia de cada mês.

Os elevadores asiáticos não dispõem de andares nº 4, 14, 24…

No dia-a-dia os asiáticos não compram quatro unidades de qualquer produto e não presenteiam outras pessoas com quatro coisas de uma só vez. Muita gente não comemora os aniversários de 4 e de 44 anos e a pior coisa que pode ocorrer na vida de uma pessoa é ter nascido num dia 4 do mês 4 num qualquer ano terminado em 04, 14, 24…

O futebolista japonês Keisuke Honda faz questão de jogar no Botafogo com a Camisa nº 4. Seja por superstição ou por anti-superstição (que superstição também é) Honda está no local absolutamente certo, na hora certa, com a gente certa – o supersticioso Botafogo de Futebol e Regatas.

Em suma, há coisas que só acontecem ao Botafogo!

Fontes:

3 comentários:

Sergio disse...

Muito interessante. Parece que nos EUA o como aqui,p é com o número 13, e já li que existem prédios que omitem o 13 dos andares.
O compositor austríaco Arnold Schoenberg tinha pavor do 13. Curiosamente nasceu em 23 de setembro e morreu no dia dia 23 de junho. Muito curioso. Abs e SB!

Ruy Moura disse...

Nos EUA nada sei sobre os andares (provavelmente é verdade), mas sei que há companhias aéreas que não possuem a fila 13... (rs)

Se superstição ganhasse campeonato...

Abraços Gloriosos.

Sergio disse...

Saiu errado o dia do nascimento e nem percebi, e 13 de setembro nascimento e 13 de junho ano da morte. Abs e SB!

Valdir Espinosa: a premonição

“ Antes de morrer EU PRECISAVA VOLTAR AO BOTAFOGO MAIS UMA VEZ.” – Valdir Espinosa , em conferência de imprensa de 14 de dezembro d...